FITNESS

IS THE NEW

ILLNESS

Algumas expressões em inglês não deveriam ser traduzidas e a “Fitness is the New Illness” é uma delas. Isso porque ela bem representa e expressa uma realidade: estamos doentes.


Essa nova doença é resultado de um excesso de informações impulsionado por um mundo cada vez mais virtual lastreado em redes sociais e em um conteúdo pensado para nos confortar, alimentar e padronizar dia e noite. E é exatamente esse mundo atomizante em que vivemos que nos leva a sentimentos, experiências e excessos numa busca frenética e imediatista por padrões físicos e comportamentais puramente irreais e intangíveis. E assim passamos boa parte do nosso tempo e seguimos pautando nossas ações, vendo o que os outros fazem, consumindo o que os outros consomem, tentando viver como os outros vivem e nos preocupando com expectativas que não são nossas. Como um controle remoto de nossas vidas.


Só que nos esquecemos que não temos controle algum sobre os outros. E então a realidade de cada um de nós - nua e crua - se apresenta como ela é e sucumbimos numa velocidade assustadora, experimentando um profundo sentimento de frustração, que é preenchido com mais excessos e pílulas virtuais de felicidade pontual e incompleta. E nos vemos afundados em um círculo contraproducente sem começo, meio ou fim.


A ideia do BeBang! surgiu exatamente dessa inquietação dos seus idealizadores. Nossa proposta é mostrar que a busca concreta pelo que nos faz bem é mais importante do que a busca virtual pelo que nos faz tão somente feliz. Nesse contexto, enquanto a busca pela felicidade demanda tão somente e na maioria das vezes "cliques" e "likes", a busca pela ampla acepção do termo "bem estar" e por uma rotina mais inteligente, essa sim demanda tempo, comprometimento, disciplina e auto-conhecimento, que geralmente são recompensados por uma vida liberta e mais equilibrada.


O BeBang! propõe que essa busca pelo que nos faz bem seja baseada na essência de cada um de nós. E é essa essência - orgânica e autêntica - que nos mantêm centrados e nos guia em nossas jornadas e nos ajuda a erguer e fortalecer os pilares que nos sustentam quando os castelos virtuais começam a ruir.


Sejamos, pois, respeitosos e leias às nossas essências.


Cure-se! É o que propõe o BeBang 

“Narciso acha feio o que não é espelho”. A citação pinçada da canção Sampa, escrita por Caetano Veloso e David Byrne nos anos 70, não poderia soar mais atual.


Na época, ele se referia ao estranhamento de se chegar a um lugar desconhecido (no caso de Caetano, da Bahia para São Paulo). Atualmente, poderíamos usar a frase em sua forma literal. Nunca se quis tanto atingir a perfeição!


Ouso dizer que, se lançada no século XXI, a música nem faria tanto sucesso. Vislumbro, inclusive, uma cena: haters partiriam com fúria pra cima de Caê caso ele ousasse falar sobre a ‘deselegância discreta de tuas meninas’. E se ousasse mencionar algo sobre o corpo delas, então, certamente seria massacrado em rede (social) pública.


A correria em Sampa continua a mesma, mas as pessoas não têm mais tempo para ver poesia ao cruzar a Ipiranga com a Avenida São João. Entre trabalho, compromissos e almoços ‘engolidos’, as pessoas focam na conectividade enquanto tentam encaixar uma atividade física em suas vidas... Tentam! Quantas vezes você já não se viu murchando a barriga diante ao espelho sonhando ter o corpo - e, consequentemente a vida - da blogueira que se mostra feliz e realizada 24 horas por dia? Definir a barriga é só o começo para o ‘combo da felicidade’.

“O que me entristece é que essas blogueiras, que dão dicas furadas pra saúde, têm muito mais seguidores do que as Sociedades Médicas. Nós estudamos, fazemos reuniões, fazemos simpósio, congresso. E as pessoas acham que a blogueira que só come batata doce tem mais a ensinar. Elas não são profissionais, não tem estudo para dizer o que pode ser feito. A Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva, por exemplo, fala de exercícios para a saúde. Não fazemos milagres como as blogueiras prometem. Por isso não conquistamos o grande público que elas têm"

Maíta Poli de Araújo, ginecologista, médica do esporte e membro da Diretoria da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE)

As academias de ginástica estão sempre lotadas, a exposição de corpos (quase) perfeitos nas redes sociais é intensa e nas capas de revista não faltam histórias de 'superação'. O mercado fitness, nunca esteve tão aquecido. Para se ter uma ideia, o negócio movimenta mais de US$ 2 bilhões, de acordo com pesquisa divulgada em fevereiro de 2017 pela Pluri Consultoria. A participação dos esportes no PIB brasileiro atingiu a marca de R$ 67 bilhões (1,6%) em 2011 e acredita-se que no ano de 2016 o crescimento foi de 22%, equivalente a 1,9% do PIB. Essa informação é relevante quando se trata de empreendedorismo e negócios, mas se torna reveladora (e um tanto quanto preocupante) quando parte para o âmbito pessoal. A busca incessante por uma 'pretensa' vida saudável e pela perfeição transformou o que era para ser um prazer em obsessão. O fitness virou uma doença!


Foco, meta, determinação, frustração… Estas questões ‘mundanas’ e inerentes aos seres humanos passaram a ser encaradas apenas como termos para se criar boas manchetes, frases e posts na Internet. Exibir uma barriga "tanque" virou sinal de status e upgrade nas redes sociais.


As pessoas não estão treinando para ficarem saudáveis - o que seria o princípio básico das atividades físicas -, mas para serem vistas, aceitas e enquadradas em padrões de beleza estabelecidos por uma ode, um tanto quanto desequilibrada e desenfreada, de influenciadores digitais.


Os malhadores 'de ocasião' que costumam exagerar nas postagens tendem a ser narcisistas e o seu o maior objetivo é se vangloriar do tempo que investem em aparência.

A internet ajudou a fortalecer o que chamamos de ‘psicologia de viés cognitivo’: você vai atrás da informação que confirma a opinião que você já tinha, pra não precisar mudar de opinião. Isso não tem nada a ver com a busca da verdade, tem a ver com o conforto de não ter que pensar no assunto. E como a internet dá voz a todo mundo, fica fácil encontrar quem pensa como você, mesmo que esse pensamento não esteja correto

Luiz Alberto Py, analista Didata da Sociedade Brasileira de Psicanálise e membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise de S. Paulo e da Group-Analytic Society (Londres)

O mais engraçado – para não dizer triste – é que nem sempre essa exposição quer dizer que essas pessoas são realmente felizes e estão satisfeitas com a sua própria aparência. O excesso de ‘caras e bocas’ e photoshops em um apelo desesperado por "likes" pode – na grande maioria dos casos – significar apenas uma carência e insegurança absurdas.

Ana Claudia Poletto, nutricionista, doutora em Fisiologia Humana pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo

Já recebi meninas que entram no excesso de coisas saudáveis. Ao ponto de irem a restaurantes e não se alimentarem, outras acabam perdendo a vida social para não comer. Preferem passar fome a comer algo que elas não considerem saudável. Trata-se do que a medicina batizou de ortorexia

Experimente perguntar numa festa infantil quantas crianças ali querem ser youtuber. O evento, certamente, vai virar uma catarse. Os influencers já exercem fascínio maior do que um pop star .


O mais preocupante é que em nome dessa aparência irreal, muitos se submetem a alimentação sem qualquer lógica nutricional, a uma substituição de refeições quase que total por pílulas, chips da beleza e fórmulas manipuladas mágicas.

Rodrigo Mendes, especialista em endocrinologia e metabologia pelo IEDE-RJ e endocrinologista da All Clinik, no Rio de Janeiro

Esse transtorno (ortorexia) também está muito relacionado à sociedade que a gente vive. Boa aparência é sinônimo de sucesso, saúde, determinação. Precisamos ressignificar isso. A saúde é o mais importante

A dieta da moda sempre existiu. Quem, por exemplo, nunca fez a ‘dieta da sopa’ para poder usar uma roupa no final de semana? O problema é quando esse radicalismo passa dos limites.

As pessoas não querem saber como vão fazer isso e qual impacto isso trará para saúde. E se perder muito peso em dois meses não vai conseguir manter e vira uma bola de neve. Tem que fazer reeducação alimentar, devagar. Tem que saber fazer uma dieta. Dieta hiperproteica, por exemplo, pode sobrecarregar o fígado. O corpo às vezes precisa de gordura até para conseguir queimar a própria gordura, e isso os bons médicos sabem orientar

Dra Alessandra Masi, ortopedista, traumatologista do esporte e membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, da International Cartilage Repair Society (ICRS) e da American Academy of Orthopaedic Surgeons (AAOS)

Mas não podemos apenas culpar os influenciadores digitais por uma batalha errada. Vivemos num país – pretensamente – livre onde todos são responsáveis por suas próprias escolhas.

ENTÃO QUAL SERIA A SOLUÇÃO PARA SAIR DESSA DOENÇA?

Segredo, fórmulas mágicas e atalhos não existem! Mas soluções se tem aos montes. E a falta de tempo, definitivamente, não é uma desculpa. O empresário Abílio Diniz é prova disso. Considerado um dos grandes empresários do Brasil e com a agenda concorrida, ele sempre fez do foco segredo para conquistar saúde e qualidade de vida a longo prazo. E, aos 80 anos preside a BRF, é acionista do Grupo Pão de Açúcar e, ainda, autor do livro 'Novos Caminhos, Novas Escolhas' - onde fala sobre gestão, liderança, motivação, equilíbrio, longevidade e fé. Ele costuma destacar em suas entrevistas que manter uma vida ativa e saudável faz com que a mente ‘não morra’.

Abílio Diniz

Nessa altura, viso longevidade com qualidade. Hoje, o esporte é pra mim uma ferramenta para que eu possa viver mais e melhor. Os avanços da medicina existem, mas tem que se ter qualidade e o esporte pra mim é um pilar extremamente importante para que eu consiga isso.

O life coach Thiago Arruda - entusiasta da meditação – é um dos cabeças de um movimento que bate na tecla que o caminho para o bem viver e da boa forma consciente começa pela mente saudável. O profissional que virou uma espécie de guru para empresários bem-sucedidos diz que todos devem respeitar os seus limites individuais e que o caminho para conquistar o corpo desejado passa por uma evolução gradativa.

Thiago Arruda

Eu sou vegetariano há 12 anos e uma época decidi ser vegano. Sofri muito, aquilo passou dos meus limites. Eu sentia vontades, desejos e me reprimia. Aí eu me machucava. Não durou um ano e voltei atrás. Tem uma coisa chamada evolução gradativa. Então quando você vai evoluindo aos poucos, é como se você fosse moldando o seu cérebro. E aí o comportamento consegue acompanhar, sem agressão. É preciso cuidado e carinho com o corpo, jamais agredir. A cultura do prazer imediato não faz bem

A mudança de hábitos, no entanto, não é tarefa das mais fáceis. É preciso mais do que vontade, é preciso ter persistência, consistência e disciplina. Os resultados até podem vir rápidos para quem 'fecha a boca' e entra em uma rotina enlouquecida de exercícios, mas o preço costuma ser alto. Problemas de saúde, lesões pelo corpo e mente e psicológico abalados são alguns dos sintomas mais comuns para quem entra no chamado "delírio fitness".

Quando você tem uma perda de peso muito grande, perde ferro e ferritina, o que favorece a queda de cabelo e a quebra das unhas. No corpo notamos a flacidez da pele devido à grande perda de gordura e também a flacidez muscular do rosto, pelo mesmo motivo. Depois do estrago feito existem sim procedimentos que podem devolver a sustentação para rosto e corpo. Mas ainda assim o melhor para a saúde é um emagrecimento consciente, com alimentação equilibrada, sem perder os nutrientes importantes para o bom funcionamento do corpo

Dra. Karla Assed, membro da sociedade brasileira de dermatologia, da American Academy of Dermatologista e fundadora da All Clinik

LEI DA ATRAÇÃO

Há quem consiga transformar o corpo e, consequentemente, a mente e a vida de pessoas como Roberto Bueno, mais conhecido como Coach Bueno. No mercado há mais de 10 anos, ele mantém a consultoria Bueno Concept que foi uma das pioneiras em coaching on-line (um programa de treinamento personalizado, com sugestões de hábitos alimentares e metas pré-estabelecidas) e presencial. E por que um tratamento à distância dá certo? Simples. Foco, disciplina e reeducação de corpo e mente!

Coach Bueno

Nossa mente não está programada para coisas ruins. Sempre queremos coisas boas para nós. E assim funciona nos relacionamentos, no trabalho… Mas existem adversidades. Porém o que vai diferir é a forma como você encara a vida. Tudo tem que ser um aprendizado, você não pode ficar num canto amuado… Assuma, faça!

O advogado e publisher do BeBang, Marcos Motta, é um dos clientes de Roberto "Coach" Bueno e exemplo de determinação e autocontrole. Há mais de 8 anos ele modificou sua rotina, adotou novos hábitos, adquiriu consciência corporal e mental e, consequentemente, ganhou em qualidade de vida e potencializou sua capacidade profissional. Sempre sujeito aos percalços e contratempos inerentes às maiores transações e litígios envolvendo o mercado esportivo e do entretenimento no mundo, Motta passa constantemente por provas de fogo que testam os limites de sua capacidade física e psicológica. Sua regrada rotina de preparo físico e mental o ajudam e tem papel fundamental nessa tarefa.

O que eu aprendi de mais importante nesse tempo de trabalho foi diferenciar o cansaço físico do mental. O cansaço físico, se você tem um bom preparo no seu dia a dia, se você tem um plano alimentar balanceado e consistente, uma consciência nutricional, mental e corporal, esse você recupera rápido porque o seu corpo tem uma reserva e sabe quando usá-la. Então o grande problema é quando há o cansaço mental e psíquico. E aí vem a queda da capacidade cognitiva. É isso que eu tento sempre combater, pois é essa que faz a diferença nos momentos sensíveis de cada negociação ou julgamento

Marcos Motta

A top model Babi Beluco também passou por uma situação limite na vida e não esmoreceu. No auge da carreira, sofreu um acidente, fraturou a coluna e correu risco de ficar paralítica. Ela, então, resolveu mudar os hábitos e prometeu correr uma maratona caso saísse do leito do hospital. Mesmo com a vida atomizante de modelo – incluindo várias viagens internacionais – ela não abre mão de manter o seu plano alimentar, tomar seus suplementos e se exercitar física e mentalmente.

Babi Beluco

Sempre gostei de correr. Tenho esse hábito desde os 14 anos. Mas correr uma maratona nunca foi um sonho até que em dezembro de 2014 eu sofri um acidente feio de carro. Quebrei as vértebras C3, C6 e a C1, que é a mais perigosa. Mas por muita sorte só precisei usar colar cervical por 4 meses. Na época perguntei ao médico quando poderia voltar a correr e ele me pediu calma e disse que, talvez, se eu me recuperasse totalmente, em 6 meses. Naquele momento eu disse que eu voltaria e que correria uma maratona como agradecimento. Virou mais que sonho, virou promessa.

O SEGREDO É CONSISTÊNCIA

Alexandre Birman também faz parte do grupo que ‘acordou’ para o lifestyle. Mesmo com uma agenda concorridíssima, o empresário - que administra um grupo com famosas marcas (Arezzo, Schutz, Alexandre Birman, Anacapri e Fiever) –, consegue ter uma rotina saudável e ainda é triatleta. E engana-se quem pensa que a solução para isso é ter somente condição financeira. A chave, o enigma, o segredo é ter organização, consistência e disciplina.

Sucesso é uma equação com infinitas soluções, mas, para mim, a grande solução é o equilíbrio. A busca por esse equilíbrio demanda dedicação, consistência e muito foco. A atenção com a qualidade da respiração, o alimento que abastece seu corpo, a rotina de exercícios são ferramentas fundamentais na composição do equilíbrio. Buscar o equilíbrio é um compromisso que assumo comigo mesmo, todos os dias, em cada atitude, gesto e palavra que escolho. Não é uma moda, é um modo de viver

Alexandre Birman

O que podemos concluir com as experiências de sucesso citadas não é novo, mas tampouco irrelevante. O problema não é o fato da digital influencer ou blogueira mostrar a sua forma de vida. Aliás, existem vários blogs que divulgam informações relevantes para saúde. O revés acontece quando a ‘autopromoção’ se torna mais importante do que a responsabilidade. E vários desses ‘semideuses’ treinam, suplementam e anabolizam seus corpos apenas para chamar atenção, sem qualquer conteúdo científico e com a intenção de monetizar e capitalizar.


A doença começa a se manifestar quando as pessoas não procuram informações básicas sobre saúde e são doutrinadas a acreditar em tudo o que é postado ou fotografado sem nunca questionar nada. E qual seria a solução para se livrar disso? O resultado aparece quando deixamos a preguiça de lado e deixamos de nos influenciar apenas pela aparência alheia.


É o famoso mente sã, corpo são. Parece clichê e é! Mas ao contrário das dietas de ocasião e gurus de internet, essa frase não sairá de moda nunca. É preciso estar atento aos pilares que sustentam uma vida mais inteligente e elevada e, claro, aos sinais biológicos! Exames, exercícios, pensamentos positivos, persistência, consistência e disciplina. Tudo tem que estar alinhado para se conquistar a alta performance e, consequentemente, os bons resultados na vida pessoal e profissional.


Para ter saúde e um corpo autêntico e que te caiba é preciso aprimorar diariamente tais princípios. Não existem fórmulas secretas, milagres e muito menos a perfeição. Ou seja, sonhar com uma convivência harmônica entre corpo e mente sem o comprometimento necessário é o mesmo que criticar a música de Caetano sem nunca ter ido a São Paulo.